Cuidar de quem cuida: por uma gestão humanizada | talent academy blog
Créditos: freepik

Cuidar de quem cuida: por uma gestão humanizada

Junho foi Mês dos(as) Profissionais de RH – período em que este texto foi originalmente escrito –, mas esse não é mais um post para dar os parabéns e falar o quanto são importantes. Pelo menos, não de forma genérica. Iremos falar aqui de um RH, de uma gestão humanizada.

Sim, eles(as) são importantes. Muito importantes. Mas não são super-heróis e heroínas. E por que estamos dizendo isso?

No sentido de que, não são figuras sobrehumanas – embora muitas vezes precisem encontrar forças quase como se fossem, tantas e tamanhas são as demandas colocadas em seus pratos hoje em dia. Mas são pessoas, de carne e osso.

Parece óbvio, né? Mas também parece que às vezes se esquece disso.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem
Pois é, tem vezes que é difícil se equilibrar.

Do tradicional ao RH humanizado e estratégico

Há momentos em que a impressão é de que há uma espécie de “8 ou 80” no mundo corporativo em relação ao RH: desvalorizar a área e limitá-la de todo seu potencial, ou colocá-la num pedestal irrealista de total responsabilidade por tudo e todos. No fim das contas, nenhum desses é saudável.

Da mesma forma que, em um extremo, o RH não deve ser reduzido a burocracias e demissões, por outro lado, o RH também não pode ser responsável por tudo e todos. Não dá pra “pular” de um RH tradicional para um RH estratégico e humanizado de um dia para o outro. É um processo.

Um processo muitas vezes árduo, mas que no fim vale a pena.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem
Infelizmente, não dá pra pular assim de um tipo de RH para outro tão distinto…

RH: Quem cuida de quem cuida?

As pessoas profissionais de RH precisam ter aberturasegurançarecursossuporte.

E mais importante, saúde e bem-estar. Mas sem as coisas que citamos acima, fica complicado. E a organização deve, sim, proporcionar isso a elas. É aquela lógica do “quem cuida de quem cuida?”

Bom, quem cuida das pessoas em uma organização também é/são… pessoa(s). E se essas pessoas não estão sendo bem cuidadas (pela organização e por elas mesmas), como irão cuidar de outras pessoas?

Já parou pra pensar nisso? Uma hora fica inviável. O esgotamento chega. E ele custa caro.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem
De uma forma ou outra, o burnout sempre existiu, só não tinha esse nome.

Gestão de pessoas humanizada

Em um artigo interessante da psicóloga e profissional de RH Monique Menezes, ela refletiu sobre o quanto estava se entorpecendo dos problemas dos outros e não olhando para os seus próprios problemas. Afinal, quanto os RHs têm espaço para falar e olhar para os seus problemas?

Como ela mesma menciona, um estudo recente da Gartner apontou uma gestão humanizada como prioridade para este ano segundo gestores(as) de RH. O maior problema apontado por eles é que os(as) líderes precisam de uma nova abordagem, já que à medida que o ambiente de trabalho muda, a liderança também precisa mudar.

Parece que, segundo os entrevistados no estudo, sua abordagem de desenvolvimento de liderança não prepara os líderes para o futuro do trabalho. Futuro esse que precisa ser psicologicamente seguro, equilibrado, humanizado.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem
Bom, seria bacana haver carros voadores no futuro – mas quando o assunto é trabalho e RH, fatores como segurança psicológica, autenticidade e adaptabilidade são mais essenciais.

Desenvolvimento de lideranças

Para isso, conclui o estudo, é preciso de uma liderança autêntica, empática e adaptável. Essas características já estão listadas há algum tempo entre as principais qualidades de grandes líderes, mas eram consideradas um bônus.

No futuro já presente, isso será uma exigência. E precisamos começar hoje:

  • Autenticidade: Agir com propósito e permitir verdadeira autoexpressão para si mesmos(as) e suas equipes
  • Empatia: Demonstrar cuidado, respeito e preocupação genuínos com o bem-estar dos colaboradores(as)
  • Adaptabilidade: Possibilitar flexibilidade e suporte que atendem às necessidades exclusivas dos membros da equipe

Monique reflete:

Os RHs também deveriam estar dentro dessa gestão humanizada, não só ajudando seus clientes internos e pessoas líderes mas cuidando de si próprios. Mas quem cuida dos RHs? Estamos nos cuidando? Quanto tempo dedicamos a acolher nossas angústias, medos e frustrações?

monique menezes, rh

Relacionamentos positivos no trabalho

Fica a reflexão. Que não só o RH tenha a responsabilidade de formar melhores líderes e gerir pessoas de forma humanizada. Isso simplesmente não é possível quando o próprio RH não está inserido nessa gestão humanizada.

E se não inclui o RH, ela é sequer humanizada?

Que a alta liderança consiga ser autêntica, empática e adaptável para melhor acolher e potencializar o RH. E que o RH aproveite isso para cuidar mais de si mesmo e dos outros, entendendo suas limitações e possibilidades, e o que está fora e dentro de seu controle.

Também, idealmente, para ajudar a repassar para futuras lideranças. Transformar gestores em líderes. Transformar a si mesmo em líder. Quem sabe. Mas nunca sozinho(a). Pois no fundo, nada se faz sozinho. Ninguém consegue fazer tudo sozinho. Ninguém é onipotente.

Em suma, são relações humanas.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem
Calma, suas relações não precisam necessariamente ser assim. Elas só precisam ser boas.

Conclusão

E relacionamentos interpessoais significativos são fundamentais para uma vida satisfatória e saudável, como revelado pelo histórico estudo da Harvard University. Conexões sociais em geral são importantes para nós, humanos, seres sociais. Manter interações sociais positivas é importante.

Claro, isso vale para o trabalho. Afinal, não há tanto uma barreira entre as esferas profissional e pessoal de fato. A vida é uma e, no frigir dos ovos, somos todos pessoas. O(a) CEO, o RH, o colaborador(a), seja qual for o cargo ou posição.

E é curioso como, às vezes, precisamos lembrar disso a nós mesmos e a quem está ao nosso redor.

Por gestões menos aceleradas, e mais humanizadas. Acreditamos profundamente em toda a potência do RH. E justamente porque se tratam de pessoas, e não de seres míticos ou máquinas.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Gostou do texto? Nos divertimos testando usar gifs em artigo pela 1ª vez, achamos que deu um toque especial e trouxeram mais leveza a essa reflexão importante.

Ps.: Pois é, dissemos que este não seria um post de parabéns genérico, mas agora que ele acabou, vou finalizar parabenizando sim: parabéns, profissional de RH – quer você esteja lendo este texto no seu mês especial ou não! Vamos juntos(as), unindo nossas potências, em direção a este futuro-já-presente do trabalho?!

Fale com um especialista da talent academy. Teremos o maior prazer em bater um papo com você!

Tags:

Cadastre-se

Se inscreva para receber as novidades da Talent Academy em primeira mão diretamente em seu e-mail

Conheça a solução
Assessment do Propósito

Entenda a fundo o perfil comportamental do seu time e desvende todo o seu potencial com o único assessment do mercado inspirado no ikigai

Saiba mais

A solução completa para o sucesso de colaboradores e empresas

Plataforma digital: ferramentas inteligentes para toda a jornada do colaborador

Programas de desenvolvimento: abordagem consultiva especializada e personalizada

Saiba mais

Posts Relacionados

Propósito e motivação no trabalho | Talent Academy blog | Imagem: Freepik

Propósito no trabalho: como e por que motivar sua equipe através dele?

Propósito no trabalho: como e por que motivar sua equipe através dele? Quem nunca se…

Autonomia no trabalho é chave para motivação e sucesso | Blog da Talent Academy (Imagem: Freepik)

Autonomia no trabalho é chave para motivação e sucesso

Autonomia no trabalho é chave para motivação e sucesso Você sabia que a autonomia no…

O que é a motivação no trabalho? | talent academy blog

O que é a motivação no trabalho?

O que é a motivação no trabalho? Para entender sobre motivação no trabalho, precisamos começar…

Gen Z e competências: dados sobre soft skills em diferentes gerações

Pesquisa da Talent Academy indica que a Gen Z pontua menos para habilidades como flexibilidade…

Pronto(a) para transformar a gestão de pessoas na sua organização?

Cuidar de quem cuida: por uma gestão humanizada | talent academy blog
Créditos: freepik

Cuidar de quem cuida: por uma gestão humanizada

Cuidar de quem cuida: por uma gestão humanizada

Junho foi Mês dos(as) Profissionais de RH – período em que este texto foi originalmente escrito –, mas esse não é mais um post para dar os parabéns e falar o quanto são importantes. Pelo menos, não de forma genérica. Iremos falar aqui de um RH, de uma gestão humanizada.

Sim, eles(as) são importantes. Muito importantes. Mas não são super-heróis e heroínas. E por que estamos dizendo isso?

No sentido de que, não são figuras sobrehumanas – embora muitas vezes precisem encontrar forças quase como se fossem, tantas e tamanhas são as demandas colocadas em seus pratos hoje em dia. Mas são pessoas, de carne e osso.

Parece óbvio, né? Mas também parece que às vezes se esquece disso.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem
Pois é, tem vezes que é difícil se equilibrar.

Do tradicional ao RH humanizado e estratégico

Há momentos em que a impressão é de que há uma espécie de “8 ou 80” no mundo corporativo em relação ao RH: desvalorizar a área e limitá-la de todo seu potencial, ou colocá-la num pedestal irrealista de total responsabilidade por tudo e todos. No fim das contas, nenhum desses é saudável.

Da mesma forma que, em um extremo, o RH não deve ser reduzido a burocracias e demissões, por outro lado, o RH também não pode ser responsável por tudo e todos. Não dá pra “pular” de um RH tradicional para um RH estratégico e humanizado de um dia para o outro. É um processo.

Um processo muitas vezes árduo, mas que no fim vale a pena.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem
Infelizmente, não dá pra pular assim de um tipo de RH para outro tão distinto…

RH: Quem cuida de quem cuida?

As pessoas profissionais de RH precisam ter aberturasegurançarecursossuporte.

E mais importante, saúde e bem-estar. Mas sem as coisas que citamos acima, fica complicado. E a organização deve, sim, proporcionar isso a elas. É aquela lógica do “quem cuida de quem cuida?”

Bom, quem cuida das pessoas em uma organização também é/são… pessoa(s). E se essas pessoas não estão sendo bem cuidadas (pela organização e por elas mesmas), como irão cuidar de outras pessoas?

Já parou pra pensar nisso? Uma hora fica inviável. O esgotamento chega. E ele custa caro.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem
De uma forma ou outra, o burnout sempre existiu, só não tinha esse nome.

Gestão de pessoas humanizada

Em um artigo interessante da psicóloga e profissional de RH Monique Menezes, ela refletiu sobre o quanto estava se entorpecendo dos problemas dos outros e não olhando para os seus próprios problemas. Afinal, quanto os RHs têm espaço para falar e olhar para os seus problemas?

Como ela mesma menciona, um estudo recente da Gartner apontou uma gestão humanizada como prioridade para este ano segundo gestores(as) de RH. O maior problema apontado por eles é que os(as) líderes precisam de uma nova abordagem, já que à medida que o ambiente de trabalho muda, a liderança também precisa mudar.

Parece que, segundo os entrevistados no estudo, sua abordagem de desenvolvimento de liderança não prepara os líderes para o futuro do trabalho. Futuro esse que precisa ser psicologicamente seguro, equilibrado, humanizado.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem
Bom, seria bacana haver carros voadores no futuro – mas quando o assunto é trabalho e RH, fatores como segurança psicológica, autenticidade e adaptabilidade são mais essenciais.

Desenvolvimento de lideranças

Para isso, conclui o estudo, é preciso de uma liderança autêntica, empática e adaptável. Essas características já estão listadas há algum tempo entre as principais qualidades de grandes líderes, mas eram consideradas um bônus.

No futuro já presente, isso será uma exigência. E precisamos começar hoje:

  • Autenticidade: Agir com propósito e permitir verdadeira autoexpressão para si mesmos(as) e suas equipes
  • Empatia: Demonstrar cuidado, respeito e preocupação genuínos com o bem-estar dos colaboradores(as)
  • Adaptabilidade: Possibilitar flexibilidade e suporte que atendem às necessidades exclusivas dos membros da equipe

Monique reflete:

Os RHs também deveriam estar dentro dessa gestão humanizada, não só ajudando seus clientes internos e pessoas líderes mas cuidando de si próprios. Mas quem cuida dos RHs? Estamos nos cuidando? Quanto tempo dedicamos a acolher nossas angústias, medos e frustrações?

monique menezes, rh

Relacionamentos positivos no trabalho

Fica a reflexão. Que não só o RH tenha a responsabilidade de formar melhores líderes e gerir pessoas de forma humanizada. Isso simplesmente não é possível quando o próprio RH não está inserido nessa gestão humanizada.

E se não inclui o RH, ela é sequer humanizada?

Que a alta liderança consiga ser autêntica, empática e adaptável para melhor acolher e potencializar o RH. E que o RH aproveite isso para cuidar mais de si mesmo e dos outros, entendendo suas limitações e possibilidades, e o que está fora e dentro de seu controle.

Também, idealmente, para ajudar a repassar para futuras lideranças. Transformar gestores em líderes. Transformar a si mesmo em líder. Quem sabe. Mas nunca sozinho(a). Pois no fundo, nada se faz sozinho. Ninguém consegue fazer tudo sozinho. Ninguém é onipotente.

Em suma, são relações humanas.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem
Calma, suas relações não precisam necessariamente ser assim. Elas só precisam ser boas.

Conclusão

E relacionamentos interpessoais significativos são fundamentais para uma vida satisfatória e saudável, como revelado pelo histórico estudo da Harvard University. Conexões sociais em geral são importantes para nós, humanos, seres sociais. Manter interações sociais positivas é importante.

Claro, isso vale para o trabalho. Afinal, não há tanto uma barreira entre as esferas profissional e pessoal de fato. A vida é uma e, no frigir dos ovos, somos todos pessoas. O(a) CEO, o RH, o colaborador(a), seja qual for o cargo ou posição.

E é curioso como, às vezes, precisamos lembrar disso a nós mesmos e a quem está ao nosso redor.

Por gestões menos aceleradas, e mais humanizadas. Acreditamos profundamente em toda a potência do RH. E justamente porque se tratam de pessoas, e não de seres míticos ou máquinas.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Gostou do texto? Nos divertimos testando usar gifs em artigo pela 1ª vez, achamos que deu um toque especial e trouxeram mais leveza a essa reflexão importante.

Ps.: Pois é, dissemos que este não seria um post de parabéns genérico, mas agora que ele acabou, vou finalizar parabenizando sim: parabéns, profissional de RH – quer você esteja lendo este texto no seu mês especial ou não! Vamos juntos(as), unindo nossas potências, em direção a este futuro-já-presente do trabalho?!

Fale com um especialista da talent academy. Teremos o maior prazer em bater um papo com você!